O que é marketing social e por que ele é importante?

Neste texto, mostraremos o que é marketing social. O marketing é o mecanismo pelo qual empresas e marcas se posicionam estrategicamente para ter êxito nas vendas. São encontradas as mais diferentes variações de marketing e meios de aplicação, e o marketing social, por sua vez, está atrelado a essas ações.

o que é marketing social

Embora sua funcionalidade esteja em primeiro plano, vinculada ao processo de venda, o marketing social possui caráter mais filantrópico que, de maneira direta ou indireta, refletem na sociedade. 

Ou seja, é a partir de ações que beneficiem a sociedade em geral ou que são vistas com bons olhos que esse mecanismo é caracterizado.

Grandes empresas usufruem do mecanismo por dois motivos principais: atingir um nicho de público diferente e obter isenções e incentivos fiscais.

No ramo das PMEs (pequenas e médias empresas), o âmbito social do marketing é mais voltado para a filantropia em si e pela visibilidade de público, não tão somente em prol de isenções fiscais. 

Continue a leitura e descubra o que é marketing social!

Como o marketing social pode ser aplicado?

Assim como toda estratégia de marketing, o meio social também é ferramenta de promoção de marca ou empresa para o público-alvo.

Seu diferencial se dá ao posicionamento mais humano, afinal, mesmo que uma ação de marketing social seja estabelecida para divulgar algo, o que é apresentado ao público verdadeiramente são ações benéficas.

Por intermédio de tais iniciativas, o público passa a enxergar o negócio como algo humanizado.

Assim, ao invés de olhar para uma loja que vende floral quântico para ansiedade e visualizar o composto de burocracias e processos, ao se deparar com ações sociais, o público vê que também existem pessoas por trás do negócio. 

O marketing social passa então a se manifestar como uma ferramenta de conexão entre marca e público. Por isso, quando bem planejado, sem dúvidas é possível gerar ganhos.

Analisando determinadas redes de pet shop, que trabalham com os mais variados produtos, desde os essenciais para alimentação, lazer até saúde e beleza animal, note que seu público-alvo certamente é simpatizante com animais. 

Com o intuito de gerar maior conexão com seu público, essa mesma rede decide organizar uma ação social. Os estabelecimentos passam a ser não somente um local de compra e venda de produtos.

Então há um novo posicionamento, que é a criação do conceito de pet shop para adotar cachorros. Uma ação similar foi realizada pela marca de rações Pedigree, cuja campanha levou o nome de “Adotar é Tudo de Bom”.

Tal iniciativa é recebida com bons olhos por seu público, afinal, todos possuem animais de estimação e é um incômodo muito grande ver animais abandonados e em situação de risco. O fato de terem cedido espaço para adoção, gera comoção.

Ao notar o recebimento de seus consumidores, que foi positivo, o pet shop compreende que é chegado o momento de começar a obter ganhos com essa ação.

De maneira muito cautelosa, é implementada uma ação com fins lucrativos, mas com o objetivo de que essa siga os passos da ação social, ou seja, com os mesmos princípios.

Por essa razão, a ideia criada consiste na doação de um determinado valor destinado ao cuidado com animais que não possuem um lar, por cada compra acima de um determinado valor. Isso pode motivar o consumo entre seu público.

Com isso, além de gerar maior conexão, a rede de pet shop pôde acrescentar uma nova estratégia de potencializar seus ganhos, garantindo assim o sucesso na implementação do marketing social. 

Solucionando conflitos por meio do marketing social

Como exemplo, imagine uma distribuidora de móveis que acaba sendo envolvida em um problema em decorrência das fraudes originadas em seu e-commerce

Ao realizar compras na loja virtual, inúmeros consumidores tiveram seus dados expostos à criminosos. A reação do público certamente foi à altura da gravidade da situação. As redes sociais, por exemplo, estavam repletas de fortes críticas contra essa marca.

Além das reclamações e descontentamento com a empresa, pessoas começaram a buscar soluções jurídicas por conta dos prejuízos e constrangimentos. Dada toda a situação, houve grande afastamento da marca de seu público.

Então, em conjunto com um planejamento bem direcionado, assertivo e social, a empresa decidiu criar um plano de ação social.

Para começar, foi feito um levantamento de seus produtos de maior volume em vendas. Identificou-se que as vendas de armários para escritório estavam no ranking de seus indicadores dos últimos 3 meses.

Sem dúvidas, isso foi motivado pelo aumento de pessoas trabalhando em casa, posto que o home office exigiu que mais pessoas tivessem uma estação de trabalho em casa mais elaborada e que pudesse trazer mais conforto.

Com isso, a distribuidora de móveis entendeu que havia uma oportunidade no segmento de mobiliário para escritório para a aplicação do marketing social.

Sabendo da realidade atual, muitas pessoas estão em casa sem ao menos dispor de um local de trabalho ou estudo confortável. Nesse sentido, a distribuidora decidiu criar uma ação envolvendo a distribuição de mesas para escritório.

A distribuição estaria direcionada exclusivamente para famílias de baixa renda, sem condições ou com pouca condição para estruturar uma estação de estudo ou trabalho.

Logo, foi distribuído um volume considerável de mesas. A ação gerou comoção pública, contendo opiniões contrárias e positivas. 

O nome da empresa volta a ganhar destaque na mídia, desta vez, com cunho menos destrutivo, e discursos favoráveis à empresa voltam a surgir na mídia.

Após isso, a marca decide implementar uma nova iniciativa, contando com uma ação em suas próprias lojas físicas.

Promovendo a arrecadação de valores destinados às organizações sem fins lucrativos (ONGs), a distribuidora passa a ser parceira de uma ONG que luta contra a fome.

Em momento de campanha, seria possível que potenciais doadores se dirigissem às lojas físicas, fizessem a doação de determinado valor e recebessem um brinde personalizado.

Tais ações foram o suficiente para que a empresa voltasse a ter abertura no mercado e voltasse a criar conexões e relacionamentos com os clientes. 

É exatamente deste modo que o marketing social age como um aliado das empresas na solução de conflitos. 

Contando com ações que são recebidas com bons olhos pelo público e demonstrando um lado humanizado, o marketing social é uma forma de relacionamento, que atua em benefício da sociedade.

Promovendo a sua empresa

O marketing social pode ser utilizado por empresas e marcas dos mais variados segmentos. No mercado médico e farmacêutico, cabe muito bem a aplicação voltada para promoção, ao invés de solução de conflitos.

Além de contar com o posicionamento nas mídias digitais, as clínicas de psicologia podem usufruir do posicionamento na sociedade, favorecendo assim seu posicionamento e criando maiores conexões.

Um case de sucesso nesse sentido foi o da “Dove Pela Autoestima”, cujo principal foco era fazer com que jovens, em especial as do sexo feminino, se sintam bem com a sua aparência.

Em uma outra situação, ao efetivar o levantamento de ranking de sucesso e aceitação do público, determinada clínica de psicologia identificou que a terapia ocupacional infantil era a solução de maior demanda em seu portfólio de serviços.

Foi encontrado um denominador em comum entre uma farmácia de manipulação e a clínica, por isso, em conjunto organizaram uma estratégia social de promoção.

Com isso, a parceria se deu através da venda de número de sorteios, que foram posteriormente direcionados para ONGs, e que os vencedores receberam uma sessão de acupuntura para ansiedade.

A junção de interesses atrelados ao marketing social ocasionou em uma ação que, sem dúvidas, iria alavancar sua audiência.

Embora a primeira sessão seja gratuita, os objetivos visam buscar abertura e aceitação de um público maior para um serviço específico.

Importância do marketing social

Como toda e qualquer ação que gere impactos sociais, o uso do marketing social deve ser estritamente calculado para que não ocorra o efeito contrário, ou seja, além de criar conexões, afastar ainda mais o público e a marca.

Com isso, alguns cuidados específicos devem ser tomados, como:

  • Certificar que não haja cunho discriminatório;
  • Estejam claros os objetivos sociais;
  • Haja transparência com o público;
  • Garantir que a mensagem esteja sendo transmitida com clareza.

Essas são observações primordiais para que, cautelosamente, as ações sociais sejam convertidas em ganhos.

No entanto, ao lidar com o público, é necessário estar sempre atento às reações. Elas refletem diretamente a aceitação ou rejeição de ações, produtos e serviços.

Vale ressaltar também que lidar com o público requer paciência e planos extras. Afinal, nunca se sabe quando será necessário emitir uma nota de esclarecimento ou repúdio, contar com estratégias alternativas e bastante jogo de cintura.

Isso ocorre pois na comunicação existem ruídos, isto é, divergência de entendimento da mensagem transmitida para a mensagem recebida. Com o intuito de evitar que os ruídos gerem maiores conflitos, a transparência se torna indispensável.

Com isso, além de ações sociais assertivas, com a combinação entre conexão, transparência e comoção, será possível criar relações sólidas com o público. Como consequência, a potencialização dos ganhos irá acontecer.

Agora você já sabe o que é marketing social, compartilhe este texto com outras pessoas para que eles também descubram.