Growth hacking: tudo o que você precisa saber sobre o assunto

Você já ouviu falar do growth hacking? Essa solução ficou muito famosa com a expansão do marketing digital, pois é uma maneira de orientar as suas campanhas com base em resultados concretos.

Growth hacking

O principal objetivo é encontrar oportunidades que ajudem no crescimento rápido da empresa. Ou seja, é uma maneira de potencializar os resultados.

No artigo de hoje, vamos mostrar tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Então, acompanhe a leitura e conheça o growth hacking!

Mas, o que é o growth hacking?


O growth hacking é uma estratégia que visa o crescimento da empresa, de modo acelerado, a partir da identificação de oportunidades e pontos que necessitam de melhorias.

Mas para conhecer esses elementos, é necessário realizar experimentos. Nesse sentido, as equipes elaboram hipóteses, verificam a validade de estratégias, fazem testes e, dessa maneira, descobrem como o negócio pode crescer.

Por esse motivo, o growth hacking também leva o nome de “marketing orientado a experimentos”, um conceito criado por Sean Ellis, um profissional que ganhou notoriedade ao acelerar a expansão de várias empresas.

Uma das grandes vantagens da estratégia é que ela pode ser aplicada em qualquer tipo de negócio, seja para a venda de hambúrguer artesanal diferente, startups, entre outros modelos de empreendimentos.

Assim, quando falamos em pontos críticos, estamos nos referindo aos elementos mais comuns de análise dentro de uma empresa, como as métricas do tráfego, geração de leads (potenciais clientes) e vendas.

Dessa maneira, se o ponto crítico do seu negócio é o tráfego, o growth hacking irá fazer experimentos para testar alternativas que aumentam o número de visitantes do seu site.

Como saber quais são os pontos críticos?


A definição dos pontos críticos é fundamental para o sucesso do growth hacking. Inclusive, é aí que muitas empresas acabam errando, pois não conseguem definir as metas que realmente importam para o seu negócio.

Por exemplo, se o objetivo da distribuição de folhetos restaurante é atrair mais clientes, então a métrica principal deve ser a quantidade de consumidores que entrou no estabelecimento.

Já para um site que investe em anúncios patrocinados, o que mais importa é o tráfego.

Ou seja, para definir os pontos críticos, é necessário saber realmente quais são os objetivos da sua campanha e quais os problemas da empresa.

Qual a diferença do growth hacking para outras estratégias?


Bem, se você chegou até aqui, deve estar se perguntando: se os pontos críticos dependem dos objetivos, qual é a real diferença do growth hacking para qualquer outra estratégia de marketing (já que a maioria delas pressupõe uma análise)?

Em primeiro lugar, nem toda estratégia de marketing tem foco nas métricas. Aliás, muitas empresas acabam perdendo dinheiro com campanhas que não contribuem nada com o crescimento da marca. No entanto, o growth hacking sempre mira nos objetivos.

Então, se a meta é fazer o seu buffet de hambúrguer conquistar notoriedade no mercado, as campanhas de marketing serão orientadas em torno desse propósito.

Porém, o grande diferencial do growth hacking está na sua obsessão em fazer tudo isso o mais rápido possível e sem grandes custos para a empresa. Ou seja, a estratégia visa um crescimento eficaz e barato.

Mas, calma! O growth hacking não é mágica. Para alcançar esse crescimento, é necessário investir em ferramentas que permitam a realização dos experimentos, bem como ajudem na automação das atividades.

Assim, é possível montar um time capaz de encontrar as melhores soluções.

Então, como aplicar o growth hacking?


Agora que você já conhece o potencial do growth hacking, é o momento de aplicar a estratégia na sua empresa.

Lembre-se: não importa se você é uma grande empresa com anos de tradição ou uma nova auto peças nacional. Dá para adaptar a metodologia para o seu negócio.


Em resumo, as principais etapas do growth hacking são:

  • Objetivo: definir qual a meta da estratégia;
  • Hipótese: elaborar questionamentos para a sua empresa;
  • Experimentos: realizar testes para comprovar as hipóteses;
  • Ferramentas: utilizar instrumentos de análise e automação.

O profissional responsável pela aplicação do growth hacking é conhecido como “growth hacker”. Ele ficará incumbido de encontrar e explorar as falhas do seu negócio, além de encontrar as oportunidades para o rápido crescimento.

Vale dizer que esse profissional deve conhecer muito bem as áreas da tecnologia, programação e matemática. Isso porque no ambiente digital, ter conhecimento desses ramos é uma maneira de encontrar soluções rápidas e eficientes de expansão da marca.

Isso não quer dizer que o growth hacker precisa ser um profissional de TI ou programação, mas sim, que ele precisa estar alinhado com o seu time de tecnologia.

Por esse motivo, frequentemente o growth hacker se encontra em sala de reunião escritório com os programadores.

Qual o perfil do growth hacker?


É comum que o growth hacker seja um profissional de marketing, com espírito criativo e explorador. Afinal de contas, ele é quem vai encontrar as oportunidades de crescimento.

Além do próprio conhecimento na área, é importante que o profissional saiba:

  • Como aplicar os processos;
  • A base da metodologia de experimentos;
  • Os princípios tecnológicos do marketing;
  • Como analisar os dados;
  • Como é o comportamento do consumidor.

Todas essas informações vão ajudar desde a confecção de um banner de lona, até um denso planejamento em marketing digital.

Inclusive, saber como as pessoas agem ao longo da jornada de compra é algo fundamental para o trabalho do growth hacker.

Com essas informações, o profissional pode encontrar os gatilhos de crescimento e realizar os experimentos para a comprovação das hipóteses.

Se comprovadas, é possível transformar os processos em ações escaláveis, contribuindo para o crescimento da empresa e redução dos custos.

Quais são as 4 fases do growth hacking?


O growth hacking é um processo. Isso quer dizer que não adianta nada começar a fazer experimentos, sem antes aplicar as técnicas com um objetivo concreto.

Por esse motivo, a estratégia é baseada em quatro fases principais. São elas:

1 - Product-Market Fit


O primeiro passo é criar produtos que as pessoas queiram usar. Essa é a base do marketing.

Portanto, se você tem um projeto de airbags laterais, deve saber muito bem para que o produto serve e como ele irá revolucionar os trabalhos cotidianos dos clientes .

Assim, na primeira etapa, o que você precisa ter em mente é a importância do alinhamento entre o produto e o mercado. Quer dizer, que você precisa desenvolver algo desejado pelos consumidores e com capacidade de satisfazer as necessidades do seu público.

Para cumprir essa etapa, é preciso entender sobre as pessoas, seus desejos, necessidades e motivações.

Não estamos falando apenas da criação de um produto totalmente disruptivo e inovador. Mas sim, mesmo as alterações mais simples devem ser feitas com base em um estudo minucioso sobre o mercado e o público. 

2 - Growth Hacks


A segunda etapa consiste na aplicação da estratégia propriamente dita. É aqui que o time de marketing formula hipóteses e realiza os experimentos. O objetivo é identificar quais são as mudanças que podem gerar resultados rápidos e baratos.

A aplicação de ferramentas é crucial neste momento. Por isso, muitas empresas investem em projetos de automação industrial e marketing.

Para alcançar o sucesso com os experimentos, o time deve olhar para o produto com base em seus conhecimentos e intuições, para encontrar as possíveis vulnerabilidades e oportunidades para crescimento. 

3 - Escala e viralização


A escala e viralização é um modo de fazer com que a sua empresa cresça, com os mínimos recursos possíveis. Ou seja, a intenção é expandir a marca sem grandes custos.

Para alcançar estes objetivos, é necessário fazer com que os seus clientes se tornem defensores da marca. Quer dizer que a sua empresa pode oferecer algum benefício aos consumidores, em troca do marketing boca a boca.

Além disso, vale a pena investir em estratégias de relacionamento. Afinal de contas, quanto melhor é a proximidade da marca com seus clientes, maior é o potencial de divulgação.

4 - Otimização e retenção


Finalmente, a última etapa da estratégia é a aplicação de soluções que oferecem melhor usabilidade e que possam satisfazer os usuários. O principal objetivo é reter os consumidores para consolidar a sua base de clientes.

Se você conseguir a tão almejada retenção, quer dizer que o seu experimento foi bem sucedido.

Conclusão


O growth hacking é uma estratégia diferenciada e extremamente assertiva, com foco em um crescimento rápido, mas sem grandes investimentos.

Por esse motivo, a técnica se tornou muito popular em startups, bem como empreendimentos que se desenvolveram no mundo digital.

O artigo de hoje mostrou alguns conceitos importantes sobre o growth hacking. Dessa forma, você pode escolher a melhor estratégia para o seu negócio, tendo em mente que o uso do marketing com base em experimentos pode trazer ótimos resultados.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.