Classificação energética do Inmetro: o que é e qual a importância?

Entenda como o índice funciona e saiba qual sua utilidade

Classificação energética do Inmetro

Se o valor da conta de luz tem tirado o seu sono e você não sabe mais o que fazer para diminuir esse gasto, já passou da hora de observar a classificação energética na hora de adquirir um eletrodoméstico, como um aparelho de ar-condicionado split, por exemplo.

A classificação energética é um rótulo que contém, entre outras características, informações sobre a eficiência energética dos aparelhos. Portanto, se você pretende comprar qualquer utensílio elétrico para realizar tarefas domésticas, leia atentamente os tópicos abaixo para fazer uma escolha mais econômica.

Classificação energética do Inmetro


O selo do Inmetro é um indicador de eficiência energética. Há 7 classes, distribuídas em uma classificação que vai desde a letra “A” até a “G”, em que “A” é mais eficiente e “G” menos eficiente.

No caso das etiquetas de equipamentos de frio, há ainda 2 classes adicionais: A+ e A++, que correspondem a um nível de eficiência energética mais elevado.

O selo do Inmetro também atribui o nível de eficiência por um código de cores na etiqueta. Essas cores representam a relação entre desempenho e energia utilizada, indo do verde (nível mais elevado de eficiência) até o vermelho (nível de eficiência menos elevado).

Para que você entenda melhor como funciona a classificação energética e a diferença que ela pode fazer no seu orçamento, confira o seguinte exemplo: uma máquina de lavar roupas classificada como “A” economiza cerca de 21% de energia em comparação com outra de classificação “B”, ao realizar a mesma função.

Com isso, no final do mês, sua conta de luz será um pouco mais barata. Isso, estendido a todos os eletrodomésticos da sua residência, certamente resultará em uma economia considerável.

A etiqueta de eficiência energética do Inmetro é, portanto, fundamental para comprar eletrodomésticos de forma inteligente e garantir a redução de gastos na conta de luz no fim do mês.

Selo Procel


O Selo Procel, desenvolvido pelo Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica, é mais um indicador de eficiência energética que ajuda na economia de luz. Por meio dele, o consumidor sabe quais equipamentos e eletrodomésticos de cada categoria consomem mais ou menos energia.

Nos eletrodomésticos, o selo está presente em lavadoras automáticas, ventiladores de teto, aparelhos de ar-condicionado, lâmpadas, TVs, geladeiras e aparelhos micro-ondas.

Dessa maneira, ao adquirir um novo equipamento, busque o selo Procel para economizar dinheiro quando for pagar a conta de luz e para contribuir para o consumo sustentável de energia.

Estimativa de kWh


As etiquetas de classificação de eficiência energética também carregam dados dos equipamentos associados a uma estimativa do seu consumo, que normalmente é apresentado em Quilowatt-hora (kWh).

Para efetuar o cálculo de consumo médio de kWh, o número dependerá dos seus hábitos de uso. No entanto, a conta é simples: basta multiplicar a potência do equipamento pela quantidade de horas que ele será utilizado dentro do mês e também pela quantidade de dias de uso mensal.

Por fim, pegue o resultado encontrado e divida-o por 1.000. Dessa maneira, você chegará a estimativa de kWH consumido por mês.

É importante frisar que alguns valores podem variar em relação ao cálculo para aparelhos que ligam e desligam regularmente, como freezer, ar-condicionado, entre outros.

De acordo com uma tabela criada pela Procel, uma geladeira de duas portas frost free consome, em média, 56,88 kWh durante o mês. Já uma cafeteira elétrica usada diariamente por 1 hora, consome em média 6,56 kWh por mês.

Para saber qual é o impacto disso na sua conta de energia elétrica, procure no boleto emitido pela concessionária da sua região o valor cobrado pelo kWh e multiplique pelo consumo mensal desses equipamentos. Assim, você terá o resultado em reais.